sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Não tenho tempo...


Fotografia de Cindy Sherman


Nada tão silencioso como o tempo
no interior do corpo.
Porque ele passa
com um rumor nas pedras que nos cobrem,
e pelo sonoro desalinho de algumas árvores
que são os nossos cabelos imaginários.
(...)
Mas não sentimos dentro do coração que somos
filhos dilectos do tempo e que, se hoje amamos
foi depois de termos amado ontem.
O tempo é silencioso e enigmático,
imerso no denso calor do ventre.
Guardado no silêncio mais espesso,
o tempo faz e desfaz a vida.

(excerto de poema de Fiama Hasse Pais Brandão)

4 comentários:

bikini disse...

já ia pensando que o tema falava por si! gostei muito.

bijagós disse...

A fotografia enigmática, suspensa... E, sobretudo, as palavras, tão belas, tão fortes, tão cheias! Obrigada.

astracan disse...

ter tempo, para mim, vem logo a seguir a ter saúde... é muito importante, não é?

Amora Branca disse...

bikini e bijagós, ainda bem que gostaram!

astracan eu até acho que quando temos tempo para estar com nós próprios, escutar o nosso interior a nossa saúde até melhora (pelo menos a mental!)!