segunda-feira, 13 de outubro de 2008

HISTÓRIA DA BELEZA

"Onde os estudos matemáticos atingem o máximo de precisão é na teoria e na prática renascentista da perspectiva.
...foi entendida pelos artistas do renascimento não só justa e realista, mas também bela e agradável à vista a ponto de, (...) se acabar por se considerar primitivas, inábeis ou até feias, as representações de outras culturas ou de outros séculos, nas quais não se respeitavam as regras."
da "História da Beleza" Direcção de Umberto Eco

Comentário: (para não me confundirem com o Umberto Eco)
Podíamos até dividir as pessoas nas que gostam de perspectiva e nas que não gostam, tipo jogo da corda, cada uma a puxar para o seu lado. E vocês, de que lado estão? Eu sei, é tudo uma questão de perspectiva, mas mesmo assim?

7 comentários:

caxemira disse...

Mais uma vez não "posso" escolher...mas gosto muito do Magritte...isto diz-te alguma coisa,Bikini?!

bikini disse...

também fico fora do jogo da corda embora em geral me irritem as perspectivas tipo arquitecto (espero não ganhar muitos inimigos)
mas a pintura é mais torta.
Magritte,sem dúvidas,e já me deste uma ideia para daqui a uns dias.
É sempre bom conversar contigo.

Jindungo disse...

Ora bem, da minha perspectiva, é INADMISSÍVEL que se ignore o ponto de fuga, esquecendo-nos do ponto de entrada - nós que vemos o que ali está. :-))

Venham as pinturas rupestres, Miró, ou as perspectivas impossíveis de Escher, há espaço pra todos!

Al Kantara disse...

Eu cá sou pela perspectiva múltipla...

Al Kantara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
bikini disse...

gostei dessa do ponto de fuga,o ponto para onde se foge,inadmissível ignorar!
muito bons exemplos os teus.
Há espaço para todos!

Lizete Vicari disse...

Amei o teu blog!
Omara é tudo de bom, já esteve
no Brasil cantando com Maria
Bethânia.
Adoro música! Voltarei.
bjs. lili