sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

AMÉLIA MUGE no CCB

"Se a criação fosse uma espécie de floresta-estufa
diria que quando já existem plantas prontas a sair,
há outras que ainda são apenas semente,
outras já no viveiro, outras ainda simplesmente
a precisar de tempo p'ra crescer. (…)
É tempo, sobretudo, de recolecção em prados conhecidos.
De pegar em cada canção, olhá-la como se olha uma planta,
ponderar o que é fruta, flôr, cacto ou arbusto,
escolher as mais resistentes,
as que melhor se darão no mercado da praça,
as mais vistosas, eventualmente as que, com formas estranhas,
possam chamar a atenção porque definitivamente,
mais ninguém tem iguais para vender.
É tempo de recolecção. De pôr as canções todas «numa carreirinha,
para ver até onde eu cheguei», como dizia a Rosa Ramalho
a propósito das suas peças de cerâmica.
Não serei seguramente só eu a fazer a escolha.
Lembrarei, é claro, as que são mais fáceis de transportar,
as que têm mais perfume, as que são mais resistentes,
as que ficam de certeza, muito melhor na janela do vizinho
do que na minha."

Amélia Muge

7 de Dezembro no CCB Grande Auditório às 21H00

1 comentário:

Al Kantara disse...

É de ir...